Atenção:

Para navegar no site habilite o "JavaScript" em seu navegador (browser) de internet!
 
 
 
Destaques
 
Notícias Online
 
  buscar notícias:
 
10/09/2015
12º Fórum de Economia da FGV/EESP tem como tema a competitividade e o crescimento do país

Evento terá entre os participantes os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, além do secretário do comércio exterior, Daniel Marteleto Godinho, o presidente do IPEA, Jessé Souza, e o presidente da ABDI, Alessandro Teixeira

A Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/EESP) e seu Centro de Estudos do Novo Desenvolvimentismo, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), organizarão o 12º Fórum de Economia, nos dias 14 e 15 de setembro, na FGV em São Paulo.

Neste ano, a temática do Fórum é discorrer sobre o desafio que a economia brasileira não tem conseguido enfrentar: sua integração competitiva nos mercados globais. Não porque insista em um modelo “fechado”, de substituição de importações, pois esse tipo de estratégia está esgotado no Brasil desde os anos 1960, e sim porque vem procurando se integrar de forma subordinada na economia internacional com a exportação de commodities. O desenvolvimento econômico depende do investimento em setores cada vez mais sofisticados tecnologicamente, e tal inversão depende da diferença entre o custo do capital e a taxa de lucro esperada, a qual, por sua vez, depende da competitividade do país na produção de bens e serviços comercializáveis. Ao perder competitividade, a taxa de investimentos cai, o que contribui para uma redução maior da competitividade, e o país entra em um círculo vicioso de subdesenvolvimento. O que fazer?

Haverá 4 painéis, com os respectivos subtemas: 1) Competitividade e o Custo do Capital; 2) Competitividade e o Custo Brasil; 3) Competitividade e Taxa de Câmbio; 4) Salários e Competitividade.

Participarão do evento: o ministro da Fazenda, Joaquim Levy; o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa; o secretário de comércio exterior, Daniel Marteleto Godinho; os professores e coordenadores do Fórum, Luiz Carlos Bresser-Pereira e Nelson Marconi; Alessandro Teixeira, presidente da ABDI; Jessé Souza, presidente do IPEA; Pedro Luiz Barreiros Passos, presidente do IEDI; Clemente Ganz Lúcio, diretor do DIEESE; Benjamin Steinbruch, vice-presidente da FIESP; Carlos Ivan Simonsen Leal, presidente da FGV; Antonio Delfim Netto (USP); Luiz Fernando de Paula (UERJ); Otavio de Barros, economista-chefe do Bradesco; Yoshiaki Nakano, diretor da FGV/EESP; José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator; Francisco Eduardo Pires de Souza, assessor da presidência do BNDES; Mario Bernardini ,diretor de competitividade da ABIMAQ; José Ricardo Roriz Coelho (FIESP); Fernanda de Negri, diretora do IPEA; David Kupfer (UFRJ); Anita Kon (PUC); José Luis Oreiro (UFRJ); Gilberto Libânio (UFMG); Sergio Kannebley Junior (FEA-USP); Vera Thorstensen (FGV/EESP); Edgar Pereira (IE-UNICAMP), Paulo Gala (FGV/EESP); Carlos Rodolfo Schneider (Movimento Brasil Eficiente); Regis Bonelli (FGV/IBRE); André Portela (FGV/EESP), Rodrigo Rocha Loures (FIESP); e Airton Santos (DIEESE).

Para quem deseja participar, os convites estão à venda pelo e-mail: cnd@fgv.br

Data: 14 e 15 de setembro
Horário: 8h30 às 17h30
Local: FGV – Rua Itapeva, 432 – Salão Nobre – 4º andar
Informações: www.fgv.br/eesp; http://cnd.fgv.br/ ou cnd@fgv.br
(11) 3799-3350

Programação

Segunda-feira (14/9)

80-9:00
Credenciamento

9:00-90
Abertura

Luiz Carlos Bresser-Pereira – Coordenador do Fórum

Carlos Ivan Simonsen Leal – Presidente da Fundação Getulio Vargas Benjamin Steinbruch – Vice- presidente da FIESP

Pedro Luiz Barreiros Passos – Presidente do IEDI

Clemente Ganz Lúcio – Diretor do DIEESE

Joaquim Levy – Ministro da Fazenda

90-10:15
Palestra: Ministro da Fazenda Joaquim Levy

10:15-100
Coffee break

100-13:00
1º Painel – Competitividade e o custo do capital. Por que o nível da taxa de juros é tão alto no Brasil?

Por que a taxa de juros básica é tão alta no Brasil? O problema está no déficit público e na dívida pública elevados, que reduzem o crédito ao Estado? Ou está na Selic, que retira a definição da taxa de juros do mercado? Ou está no poder dos rentistas e financistas? Ou na soma dessas causas?

Presidente da Mesa: Benjamin Steinbruch (FIESP e CSN)

Expositores: Antônio Delfim Netto (Professor Emérito FEA-USP), Luiz Fernando de Paula (UERJ), Otavio de Barros (Bradesco), Yoshiaki Nakano (FGV/EESP).

Debatedores: José Francisco de Lima Gonçalves (Banco Fator), Francisco Eduardo Pires de Souza (BNDES)

13:00-15:00
Almoço

15:00-170
2º Painel – Competitividade e custo Brasil

Por “custo Brasil” entende-se a soma dos custos externos às empresas, que são mais altos que os existentes nos países concorrentes, tornando-as não competitivas. São os custos da infraestrutura (energia e transportes), da burocracia pública, da legislação trabalhista e previdenciária e dos impostos não recuperáveis. As estimativas do custo Brasil giram em torno de 30%. É verdade? O que fazer?

Presidente da Mesa: Pedro Luiz Barreiros Passos (IEDI)

Expositores: Daniel Marteleto Godinho (MDIC), Mario Bernardini (ABIMAQ), José Ricardo Roriz Coelho (FIESP), Fernanda de Negri (IPEA)

Debatedores: David Kupfer (UFRJ), Alessandro Teixeira (ABDI), Anita Kon (PUC)

Terça-feira (15/9)

9:00-9h45
Palestra: Ministro do Planejamento Nelson Barbosa

10:00-120
3º Painel – Competitividade e taxa de câmbio

A taxa de câmbio compensa a baixa produtividade técnica (produtividade organizacional) e econômica (relativa ao custo unitário do trabalho). No Brasil ela sempre foi um pouco sobreapreciada devido aos déficits em conta-corrente que são financiados por “poupança externa”, mas que geralmente aumentam mais o consumo que o investimento. E se tornou fortemente sobreapreciada quando, em 1990-91, foi desmontado o último mecanismo que neutralizava a doença holandesa, passando a exibir uma desvantagem competitiva, próxima a 20%, que vem sendo a principal causa da desindustrialização. Como avaliar a questão?

Presidente da Mesa: João Guilherme Sabino Ometto (FIESP)

Expositores: José Luis Oreiro (UFRJ), Gilberto Libânio (UFMG), Sergio Kannebley Junior (FEA-USP), Luiz Carlos Bresser-Pereira (Professor Emérito da FGV)

Debatedores: Vera Thorstensen (FGV/EESP), Edgar Pereira (IE-UNICAMP), Paulo Gala (Banco Fator)

14:00-15:00
Palestra: Jessé Souza (Presidente do IPEA)

15:00-170
4º Painel – Salários e produtividade

A evolução da competitividade de um país depende do índice comparativo do custo unitário do trabalho. Estudos têm demonstrado que esse índice elevou-se no Brasil nos últimos anos. É verdade? O que fazer agora?

Presidente da Mesa: Antônio Maciel Neto (Grupo CAOA)

Expositores: Clemente Ganz Lúcio (DIEESE), Nelson Marconi (FGV/EESP), Carlos Rodolfo Schneider (Movimento Brasil Eficiente), Regis Bonelli (FGV/IBRE)

Debatedores: André Portela (FGV/EESP), Rodrigo Rocha Loures (FIESP), Airton Santos (DIEESE)

170-18:00
Encerramento
Carlos Ivan Leal Simonsen, Luiz Carlos Bresser-Pereira


Fonte: Assessoria de Imprensa
 


Últimas Notícias 
15/12/2017
» 40 Graus mobiliza o setor calçadista ainda no primeiro trimestre de 2018
15/12/2017
» Definidas as agroindústrias para a 18ª Expoagro Afubra
15/12/2017
» Sexta-feira (15) é o último dia para o credenciamento de agências que vão receber chineses
15/12/2017
» Missão comercial para o Reino Unido aproxima players britânicos e brasileiros
15/12/2017
» Festival Geek reúne dubladores e youtubers até domingo em Brasília
mais...
  buscar notícias: